Colunistas

A história das marcas mais charmosas do mundo

Conheça mais sobre a Harley-Davidson, Ferrari, Montblanc e Rolex

Reinaldo Adri

Harley Davidson

Essas charmosas – e barulhentas  – motos nasceram no começo do século 20. Mais especificamente em 1903, um escultor (Arthur Davidson) e um desenhista (William S. Harley) se uniram para fabricar uma bicicleta motorizada para auxiliá-los em seus trabalhos diária na cidade de Millwaukee, estado de Wisconsin, nos EUA. Depois de muitas tentativas, os dois jovens conseguiram construir a Silent Gray Fellow, cujo  motor desenvolvia 3 cavalos e estava equipada com uma válvula de admissão automática e com transmissão de correia. Eles produziram alguns exemplares já usando as cores que seriam, dali em diante, símbolos mundiais da marca.

Em 1906, com um modelo mais potente que desenvolvia 4 cavalos, foram produzidos 50 motos que logo começaram a ganhar fama nos estados vizinhos até que, um ano depois, a polícia americana começa a usar as novas máquinas. A popularidade foi aumentando ainda mais na medida em que competições eram vencidas com o uso das motocicletas. Com a qualidade conseguida, a marca conseguiu sobreviver à crise de 1929.

O uso de modelos específicos para fins militares foi o suficiente para que as motos virassem febre depois da Segunda Guerra Mundial. Os anos 50 foram dourados para a Harley-Davidson. A marca deixou de representar apenas máquinas para simbolizar um estilo de vida, impulsionado pelo estouro do Rock N’ Roll nas décadas de 70 e 80. A empresa cresceu e expandiu seus negócios por todo o mundo, inclusive no Brasil, onde abriu dezenas de lojas em várias cidades em 2012.

Ferrari

A marca de carro mais cobiçada de todos os tempos surgiu em 1929 como uma escuderia de corridas que patrocinou vários pilotos ao longo dos anos, mas sua produção comercial começou apenas em 1946, sendo, 23 anos depois, vendida para o grupo Fiat.

Um dos charmes da Ferrari é o seu emblema, o ‘cavalo rampante’, originalmente símbolo do Conde Francesco Baracca, que foi piloto durante a Primeira Guerra Mundial. Após vencer uma corrida em 1923, Enzo Ferrari conheceu a filha do conde, Paollina Baracca, que lhe recomendou usar o desenho em seu carro para dar sorte. Já a cor vermelha, era característica das equipes de corrida italianas.

O domínio da Ferrari na Formula 1 nos anos 50, em muito por conta do piloto Juan Manoel Fangio, também foi decisivo para a expansão da popularidade da marca.

Rolex

A marca de relógios mais famosa do mundo, apesar de ser Suíça, foi fundada por um alemão, chamado Hans Wilsdorf em 1905. Ele era um homem muito perfeccionista, que passava horas tentando recriar os movimentos precisos do tempo e, além disso, adaptar os objetos à moda e ao estilo usado na época. O alemão também foi um dos pioneiros na fabricação de relógio de pulso, em substituição aos de bolso, e ficava a cada dia mais focado em conseguir o movimento perfeito. Para ele, um bom relógio deveria, também, poder ser usado como um cronômetro exato.

Nessa busca incessante, Wilsdorf projetou um sistema novo de coroa e caixa para evitar a entrada de poeira e água. Isso revolucionou o mercado de relógios. Conheciam-se os relógios com um padrão de qualidade muito superior aos que existiam. Desde então, todos os modelos lançados foram campeões de vendas.

Montblanc

Montblanc é sinônimo de requinte em todo o planeta. Fundada em 1906 pelos alemães August Eberstein, Alfred Nehemias, Clauss Johannes Voss, a marca foi rebatizada em 1909 em homenagem ao monte francês, o mais alto da Europa Ocidental.

A Montblanc nasceu em Berlim, numa pequena oficina de canetas tinteiros que cresceu com os investimentos dos sócios e se tornou a SimploFller Pen Company. O objetivo deles era produzir a melhor caneta do mundo, que nunca vazasse tinta. Com o tempo, os donos viram a necessidade de mudar sua sede para Hamburgo, para facilitar as exportações e importações.  Em 1910, ela adotou o nome que tem até hoje.

Foto: Divulgação